bacana

Busca:
A+
A-

Iniciativas governamentais para promover o uso de energia renovável impulsionam o mercado



A presença crescente das fontes renováveis na matriz energética mundial traz a necessidade de sistemas de armazenamento de energia para garantir eletricidade de forma contínua, já que o sol sempre se põe e o vento nem sempre sopra.

Nos últimos anos, as baterias de íons de lítio (Li-ion) foram a tecnologia mais escolhida para os projetos de armazenamento de energia estacionários, devido a uma combinação de baixo custo, eficiência e segurança.

Iniciativas governamentais para promover a utilização sustentável da energia impulsionarão ainda mais esse mercado, que pode chegar a R$ 23,1 bilhões até 2026, segundo projeções da consultoria Navigant Research.

As baterias de íons de lítio também lideraram os mercados de armazenamento de energia em veículos elétricos e eletrônicos de consumo, como smartphones e notebooks.

“O rápido crescimento desses mercados permitiu que os fornecedores desenvolvessem economias de escala através de investimentos importantes em novas instalações de fabricação que estão diminuindo os preços”, diz a consultoria em comunicado.

Atualmente, o mercado de baterias de íons de lítio para armazenamento em rede é basicamente liderado por duas gigantes sul-coreanas: a LG-Chem e a Samsung SDI.

As duas líderes são seguidas de perto pela chinesa BYD, as japonesas Panasonic e Toshiba, a fabricante sul-coreana Kokam, as francesas Saft e Leclanché, a chinesa CATL (maior produtora chinesa de baterias automotivas) e, por fim, a canadense Electrovaya.

Os analistas da Navigant Research pontuam que a paisagem global dos fabricantes de íons de lítio está se tornando cada vez mais competitiva, com empresas concorrendo por mais participação de mercado e investindo fortemente em pesquisa e desenvolvimento.

Para os próximos anos, a consultoria prevê que o crescimento do mercado será distribuído principalmente entre os países da América do Norte, Europa e Ásia Pacífico, impulsionado principalmente por mudanças e incentivos regulatórios antes que os preços baixem o suficiente para competir no varejo.

Fonte: Site Exame